ACESSIBILIDADE MAPA DO SITE ALTO CONTRASTE TAMANHO DA FONTE:
  • A+
  • A
  • A-

POSTADO EM 28 nov 2013 · Agricultura

Palestra para Prevenção

PREFEITURA DE VIANÓPOLIS ORGANIZARÁ PALESTRA QUE ALERTARÁ PRODUTORES SOBRE PERIGOS DA LAGARTA HELICOVERPA ARMIGERA

 

Por Olívio Lemos

 

Através de portaria publicada ontem pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, o Estado de Goiás foi considerado como zona de emergência fitossanitária relativa ao risco de surto da praga Helicoverpa armigera em regiões produtoras de grãos.

A declaração significa que a proliferação dessa praga nas lavouras goianas poderá resultar em significativos prejuízos aos produtores rurais.

Com a declaração de emergência anunciada pelo Ministério da Agricultura, o Estado de Goiás terá prazo de um ano para implantar plano emergencial com a finalidade de evitar um surto da praga.

E preocupado com esta situação, o Prefeito Issy Quinan Júnior, que também é agricultor, anunciou que a Prefeitura de Vianópolis estará organizando uma palestra em que um especialista no assunto falará aos agricultores de nossa cidade e região sobre essa praga que está assustando produtores e pesquisadores.

A palestra acontecerá na segunda quinzena de dezembro no Crevi de Vianópolis e o palestrante de renome internacional passará aos agricultores informações sobre como combater a Helicoverpa armigera.

O prefeito Issy Quinan Júnior disse que a palestra a ser proferida em Vianópolis será de grande importância para que os agricultores recebam mais informações e possam estar preparados para enfrentar essa praga.

Em Goiás, houveram elevados números de ataque da praga no ciclo passado, sobretudo na safrinha.

Isto fez com que a Helicoverpa já estivesse presente nas áreas de verão neste ano, fato comprovado pelo aparecimento precoce da lagarta nas áreas recém-plantadas.

Técnicos da FAEG-Federação da Agricultura do Estado de Goiás estimam que os produtores goianos sofram com os prejuízos da Helicoverpa, sendo que as estimativas de aumento nos custos de produção cheguem a aproximadamente 600 milhões de reais.

Isso só na cultura de soja, principal produto cultivado no Estado de Goiás.

Fonte: Correspondente Vianopolino